A solidariedade em tempos de pandemia

Envolvidos na ação taxistas já distribuíram mais de trinta cestas básicas.
Envolvidos na ação taxistas já distribuíram mais de trinta cestas básicas.

Taxistas mais novos ajudam colegas mais velhos com cestas básicas

O número de infectados pelo coronavírus ao redor do mundo segue em crescimento exponencial e seu alto risco para a saúde pública tem mudado radicalmente o dia a dia das pessoas. Todos estão sendo afetados de alguma forma, uns menos, outros mais. Não é difícil encontrar alguém extremamente preocupado com a situação, mas é surpresa ver casos de empatia em meio ao caos que se instaurou pelos quatro ventos. Jovens taxistas curitibanos estão dando exemplo para toda a sociedade, olhando para as dificuldades do próximo antes de reclamar dos seus próprios problemas.

Com a pandemia, taxistas estão enfrentando dificuldades para fazer corridas pela cidade. Segundo a União dos Taxistas de Curitiba (UTC), o movimento de março caiu 70% em relação ao mês anterior. O rendimento da categoria foi reduzido bruscamente, mas isso só fez a solidariedade crescer entre os taxistas. Mais de trinta profissionais já receberam dos colegas cestas básicas para colocar comida no mesa da sua família.

A iniciativa partiu dos jovens taxistas. Preocupados com os colegas idosos, que fazem parte do grupo de risco da doença e que estão ficando em casa, eles decidiram ajudar. Por meio de campanhas em redes sociais, os jovens taxistas arrecadaram alimentos para quem não estava conseguindo suprir suas necessidades básicas.

Rogério Felix, de 39 anos, é taxista há mais de duas décadas e percebeu que o momento era de extrema urgência, por isso deu o ponta pé inicial na ação. “Com o avanço da pandemia e o fechamento do comércio, verificamos que muitos motoristas não estavam trabalhando. Quando o serviço caiu, fizemos um levantamento nos nossos grupos de mensagens e percebemos que os idosos estavam com maior dificuldade, pois grande parte são autônomos e sem aposentadoria”, relatou o taxista, enfatizando que sentiu que era preciso colaborar de alguma forma.

Ele próprio já vinha sentido os efeitos da crise, pois antes fazia em média doze corridas por dia, mas atualmente chega a fazer no máximo quatro. No entanto, pôs a sua preocupação pessoal de lado e deu prioridade a quem estava com maior vulnerabilidade. A publicação que deu início a campanha ocorreu no dia 2 de abril. Com a ideia de organizar um cadastro para localizar os doadores e registrar as famílias que estariam precisando de ajuda, Rogério logo percebeu que vários colegas estavam dispostos a colaborar. “Muitos foram ajudando de várias formas e chegamos a 32 cestas. Foi um número positivo e não vamos parar por aqui. Começamos outras campanhas e queremos atender ainda muito mais”, projeta o taxista.

 Como ajudar?

Para colaborar com os taxistas, entre em contato no telefone (41) 99264-8332. Se preferir as redes sociais, como Twitter e Facebook, o caminho é procurar Rogério Felix. A campanha está ativa e promete ajudar mais motoristas conforme for possível. 

Crédito da foto e matéria: Jeniffer Oliveira