Taxistas buscam alternativas para enfrentar crise com falta de passageiros em Porto Alegre

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Um levantamento do Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi) apontou uma redução de pelo menos 70% na queda de clientes e que pelo menos 50% dos taxistas não estão trabalhando.
Um levantamento do Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi) apontou uma redução de pelo menos 70% na queda de clientes e que pelo menos 50% dos taxistas não estão trabalhando.

A redução da circulação de pessoas em locais como a Estação Rodoviária de Porto Alegre, o Porto Alegre Airport – Aeroporto Internacional Salgado Filho, shoppings e lojas, mesmo que no Centro Histórico tenha aumentado a presença de público em função da reabertura das lojas – segue sendo apontada pelos taxistas como os principais fatores da crise causada no setor pela Covid-19.

No ponto de táxi localizado no Largo Vespasiano Júlio Veppo, no Centro Histórico, a categoria decidiu adotar uma medida para enfrentar o período de ausência de passageiros. A frota que era composta por 400 veículos, o maior ponto de embarque e desembarque da Capital, foi reduzida para 100 carros. Além disso, os condutores optaram por realizar um rodízio para que todos possam faturar com as corridas.

O taxista Ricardo Sampaio Soares, que atua há quase dez anos no ponto da Rodoviária, disse que desde março diversos colegas estavam pagando para trabalhar. O condutor que trabalha das 7h às 19h afirmou que não tinha visto uma crise como essa no país. Antes da pandemia, ele realizava uma média de 12 a 15 corridas por dia. Na manhã desta quinta-feira, ele havia feito, até as 10h, apenas duas corridas – até os bairros Partenon e Glória.

No ponto da loja Lebes, na Avenida Borges de Medeiros, no Centro Histórico, o motorista João Frederico Machado afirmou que os taxistas do local têm feito corridas curtas. “Não tinha visto, e faz tempo que trabalho como taxista, tantos colegas ao longo do dia realizarem apenas duas ou quatro corridas”, ressaltou. Além disso, Machado destaca a concorrência com os aplicativos e a opção do público pelo uso do lotação e do ônibus.

Um levantamento do Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi) apontou uma redução de pelo menos 70% na queda de clientes e que pelo menos 50% dos taxistas não estão trabalhando. O presidente do Sintáxi, Luiz Nozari, informou que atualmente a categoria é composta por seis mil taxistas que estão aptos a exercer a função em Porto Alegre, entre permissionários e auxiliares. No entanto, mais da metade da frota está parada por falta de passageiros.

“A situação que estamos vivendo não tem precedentes, é a pior possível. Nossa missão, neste momento é manter-se vivo além da concorrência com os aplicativos que já judiava da categoria, juntou-se a pandemia”, ressaltou.

De acordo com Nozari, os poucos profissionais que estão nas ruas, ganham apenas para comer. “Ninguém mais ganha dinheiro trabalhando em táxi, apenas sobrevive, na esperança de dias melhores”, explicou. O aplicativo do Sintáxi, que trabalha com até 50% de desconto, está com falta de carros em muitos horários, talvez, segundo o presidente do sindicato, porque não vale a pena sair de casa, pois muitas vezes o taxista gasta mais do que ganha.

Crédito da matéria e foto: Correio do Povo

Edição Impressa

Videos